domingo, 7 de fevereiro de 2016

As Últimas de 2015




Boas,
Como o titulo indica são as últimas pescarias de 2015, foram 4 no total, 3 em Novembro e 1 em Dezembro.
As Douradas apareceram como é habitual naquele local e naquela altura do ano, não em grande numero, uma vez que não é ali que elas se concentram, mas as que passam por ali dispersas são bons exemplares e temos de estar lá para poder apanhar alguma.
As pescarias não correram mal, apareceram novamente Sargos grandes, o que volto a dizer não me acontecia por ali a algum tempo, os Polvos tambem apareceram em maior numero do que é habitual, os Pargos foram aparecendo, um ou outro Besugo, Safios, Carapaus, poucas Cavalas e as amigas Douradas. Exemplares únicos, um Peixe Porco e um Sarrajão.

Em Relação às iscas utilizadas foram, a sardinha, o caranguejo, o lingueirão, e uma ou outra cavala fresca.
A sardinha foi rainha e os maiores exemplares foram capturados com iscas duplas e triplas de sardinha no anzol de baixo. O caranguejo também deu umas capturas de douradas, Pargos e Sargos.
O lingueirão com casca deu dois Pargos e um Sargo e sem casca também.
Só uso o lingueirão quando já não tenho sardinha e o caranguejo está a acabar, é uma isca de recurso que tenho levado pois vou apanha-lo nas marés baixas aqui nos cabeços do Sado antes de ir pescar lá fora. Assim o que sobra congelo e depois utilizo em outras pescarias de costa ou de embarcada.
Também notei que não havia tantas cavalas no local, apareceram muitos peixes agulhas e um tubarão azul que levou uma montagem.

Nas ultimas pescarias tentei conciliar as marés de forma a poder fundear já depois da primeira hora da maré começar a encher e assim a embarcação mantém-se mais no local de pesca sondado anteriormente.

Mudando de assunto, já voltarei a falar das pescarias, mas nos últimos tempos à chegada da rampa quando estou a retirar a embarcação vou sempre falando com outros pescadores que estão por ali e uma das duvidas que têm e que me questionam é em relação aos limites de navegação permitidos à classe 5 que é a classe da minha embarcação e das deles também.
Uns dizem que é ali aquelas bóias, outros desconhecem. A maioria desconhece porque não tem gps ou carta de navegação.
Já me questionaram também por aqui no blog em relação a isso e por isso resolvi colocar uma fotografia do limite do Porto de Setúbal para puderem ter uma ideia.
Cada porto tem o seu limite e esse limite é delineado por pontos gps e unindo esses pontos formamos o limite de cada porto.
No meu caso tenho o limite na carta do gps igual à que vou colocar em baixo, apenas coloquei um risco mais grosso vermelho formando quase um triângulo, sendo esse triângulo o limite do porto de Setúbal.


Então o que diz o regulamento da náutica de recreio  Decreto-Lei nº. 124/2004 de 25 de Maio

Artigo 8.°
Embarcações para navegação em águas abrigadas
1 - São consideradas embarcações para navegação em águas abrigadas, adiante designadas por ER do tipo 5, as concebidas e adequadas para navegar em zonas de fraca agitação marítima, junto à costa e em águas interiores.
2 - As ER do tipo 5, movidas à vela ou a motor, podem navegar num raio de 3 milhas de um porto de abrigo.
3 - As ER do tipo 5, movidas exclusivamente a remos, só podem navegar até 1 milha da costa.
4 - As ER do tipo 5, designadas por motas de água e por pranchas motorizadas (jet-ski), só podem navegar até 1 milha da linha de baixa mar, desde o nascer e até uma hora antes do pôr do Sol. .
5 - As ER do tipo 5 estão dispensadas de sinalização luminosa desde que naveguem entre o nascer e o pôr do Sol.


No meu caso a classe da minha embarcação, (classe 5) só me permite ir a três milhas do porto de abrigo como diz o artº 8º acima referido no seu numero 2,
Ou seja, posso me deslocar para fora daquele triângulo vermelho no máximo 3 milhas náuticas, mas sem gps é difícil saber com exactidão os limites que podemos navegar e os limites do porto.
Espero ter ajudado.

Voltando às pescarias deixo então aqui umas fotos de algumas das capturas.







E também a 1ª pescaria do Mário e a sua primeira Dourada na embarcação Rebolo.




No geral acho que foram positivas as ultimas saídas, o facto de não ser tão assíduo nos últimos tempos deixam-me mais incertezas o que por vezes nos leva  a ter pequenas falhas que noutras alturas de maior pratica de pesca já eram hábitos normais.
Mas é mesmo assim, vamos e tentamos, cada saída temos uma experiência diferente e tudo pode acontecer tudo depende de nós menos ou mais falhas o importante é ir e tentar.
Deixo então um video das ultimas pescarias.
Até a próxima.










1 comentário:

Marco Afonso disse...

Boa noite,

Gostava de me iniciar na pesca e encontrei o seu blog.

Devo dizer que a informação que contém está fantástico pois já me deu umas luzes sobe que peixes se pode apanhar e em que condições os apanhar.

Continue e muita "força" nas pescarias! :)