sábado, 20 de novembro de 2010

Pescarias Setembro e Outubro / Material e Montagens

Hoje resolvi dar mais destaque aos materiais que às pescarias.
Considero que o material tem alguma importância na pratica desta modalidade.  
Vou falar das alterações do material que utilizei.
Quero realçar que as marcas do material em referencia, são simplesmente uma opção entre muitas outras.
Alias, não tenho conhecimentos, nem experiência para poder tecer comentários em relação a material e marcas.
Quero só, deixar uma ideia das alterações efectuadas relativamente às montagens, mas também, dizer que a  alteração de marcas, se devem só e unicamente a uma opção minha, pelos preços mais baixos, tendo até agora desempenhado bem as suas funções.
Gostaria também de dizer que estou sempre aberto a outras opiniões.
Assim, espero que comentem tudo o que se diz por aqui, só assim, se consegue evoluir, ouvindo e aprendendo cada vez mais.
Também peço desculpa pelo meu Português, mais pela construção de frases, do que propriamente pelas expressões utilizadas ou erros que o Google corrige. É que nunca gostei de escrever, mas agora com este blog, pratico mais a escrita, podendo assim, a escrita com o tempo, vir a melhorar.
Para quem tem dificuldade em colocar comentários, "os quais estão acessíveis no final de cada post" ou porque não ter conta no Google, ou por outra razão qualquer. Basta escolher a opção "Comentar como",  depois escolhem anónimo e no final, caso queiram, deixam o vosso nome juntamente com a mensagem.

Bem, então passo a mostrar o material utilizado nas primeiras montagens.
Os anzóis utilizados nº1, nº2, nº3 da Gamakatsu.




Os destrocedores que comecei a utilizar e as missangas da stonfo, que utilizava anteriormente.



 As linhas utilizadas nas montagens, fluorcarbono da yuki, madre 0.35 ou 0.30 e estralhos 0.30.ou 0.25.
























Chumbadas entre as 120 e as 200 gramas.






Fica uma montagem à lá Ernesto, como já ouvi muitos chamarem, uma montagem ensinada pelo Sr. Ernesto Lima, no seu blog a Minha Pesca, que já aqui referi algumas vezes.
Madre cerca de 2 metros, estralhos, "comprimento fio anzol" de 0,50 a 1,5 m,
O fio que vai ligar ao destrocedor da chumbada, deve ser sempre mais fraco que as linhas utilizadas na madre, eu pessoalmente uso um mono normal 0,25, com 20 a 30 cms de comprimento.
O nó utilizado, é o mesmo que faço nas montagens ao choco o nó clinch,  segundo o que tenho lido é o nó mais resistente que podemos fazer. Chamo a atenção que ao fazer o aperto deste nó, deve-se molhar a linha para não ficar marcada.


A meu ver é uma das grandes diferenças, entre outras, que estas montagens têm, em relação às vendidas por muitas marcas conhecidas que vemos nas lojas de pesca, em que o destroçedor da chumbada está ligado directamente à madre.
 Deixo aqui um exemplo de algo que já me aconteceu com essas montagens e que já não acontece com as novas. Imaginem que ferram um peixe grande, a tendência do peixe ao sentir-se ferrado é puxar para baixo e nestas puxadelas iniciais é normal que a chumbada fique presa nalguma rocha.
É  aqui que as novas montagens fazem toda a diferença, por esse motivo é que se utiliza um fio mais fraco no fio que liga ao destroçedor da chumbada. Qualquer coisa ele parte e já temos menos um problema entre outros que ainda poderemos passar  para fazer chegar esse bicho cá acima.
Nas outras montagens que referi, caso a chumbada prenda, podem dizer adeus ao troféu, também há quem utilize o chamado fusível, mas acreditem esta diferença entre outras, fazem me deixar de lado as montagens anteriores, com misangas invisiveis e optar por estes destrocedores.
Outra coisa que podem comprovar, coloquem as ditas montagens comercias e estas, Feitas como referi acima, dentro de agua, com isca, vejam a diferença na forma como o isco supostamente se vai apresentar aos nossos amigos lá em baixo.
Muitos não têm tempo, nem paciência para as fazer, mas acreditem, fazem muita diferença na acção de pesca.

Aqui ficam então algumas pescarias de Setembro e Outubro, as zonas, sempre ali a rondar o São Luis.
Iscos: Camarão, ameijoa e berbigão.

04-09-2010, Com o Ricardo Alentini.















10-09-2010




19-09-2010, resolvi fazer uma caldeirada de ganoupas, recomendo, embora tenha muita espinha.



23-09-2010, com o meu tio Jaime.




Foi a partir desta pescaria que resolvi mudar o esquema da pesca.
Resolvi começar a utilizar anzóis maiores, linhas mais fortes, pois alguns esticanços deixaram tudo lá em baixo. Os iscos mudaram para sardinha e sarda fresca, deixando o camarão de parte, isto quando pesco sozinho ou em equipa.
Outros iscos utilizados: O camarão, a ameijoa e agora o caranguejo.
O motivo que me levou a esta mudança, penso que foi uma pequena evolução enquanto pescador.
Pessoalmente, deixei de querer trazer peixe com fartura. Foi também uma alteração de mentalidade, deixando assim crescer os mais pequenos, embora com medida.
Assim, certamente poderiam vir mais tarde, a dar uma satisfação a alguém que o apanhe maiorzinho e quem sabe se esse alguém, não vou ser eu.
Penso que tudo tem uma evolução, esta foi para mim, uma pequena grande evolução e a qual espero vos poder transmitir, quer pelas pescarias que vos vou mostrar a seguir, quer pelas experiências vividas até agora.
Conforme já referi, comentários são sempre bem vindos. 
A experiência não é muita, mas a vontade de aprender e testar coisas novas é imensa.
Então vamos voltar ao material e às mudanças nas montagens no mês de Outubro.

Os anzóis
Passei a utilizar os anzóis nº 1, nº 1/0 e 2/0.
Comecei a utilizar os Vega, são mais baratos e são Nacionais.


Destrocedores, tambem da Vega os potenza



Linhas
Também alterei as linhas, comecei a utilizar a Gorilla UC4 da Tubertini., madre 0.40 ou 0.50 e estralhos 0.35.
Excelente a meu ver, relação preço/qualidade/quantidade.




Chumbadas
Bem as chumbadas comecei a fazer cá em casa umas alterações com borracha liquida.
Conforme referi, a chumbada começou a ser um elemento que poderia começar a perder com facilidade e então resolvi comprar as normais de chumbo e revesti las com borracha liquida.
Sai mais barato do que comprar aquelas que mostrei acima.
O porque disto, muitos dizem que pescam com chumbadas normais e certamente não deixam de apanhar peixe por isso.



Eu, enquanto Caçador Submarino, sempre vi a reacção dos peixes ao barulho do metal, ao bater em qualquer rocha. E posso vos dizer, que o peixe não gosta desse barulho.Pode ser curioso e vir ver o raspar ou o bater de qualquer outro material, mas o barulho do metal, vos garanto que afasta o peixe. Inicialmente utilizei só a borracha branca. Os polvos, começaram a aparecer com muito mais frequência. Agora resolvi coloca-las mais atractivas. Também li, salvo erro na revista, O Pescador, da qual sou assinante à um ano. Agora, no Porto de Abrigo, vejo alguns dos que já escreveram por essa revista. O mundo é mesmo pequeno. Voltando às chumbadas, estava a falar da diferença das cores em detrimento das normais de chumbo, o mestre Ernesto, também fala nisso.

Como é óbvio, que para isto é preciso tempo, mas não muito.
Aqui ficam mais umas fotos do material que utilizo antes das pescarias de Outubro.

















O Multifilamento que uso e os anzóis sempre empatados, prontos para substituir caso algum fique por lá. 



















A minha mala das montagens e respectiva caixa do material, ambas adquiridas à mais de dois anos, na loja de um pessoa que agora conheço um pouco melhor, pois desconhecia completamente o seu trabalho, o Sr Nuno Paulino da 7even e do seu  blog, que também acompanho o Canas Made in Portugal


Conforme já lhe referi, tive pena de adquirir recentemente a cana que vêm abaixo.
Por não ter conhecimento do trabalho dele, senão certamente, gastando um pouco mais, ficaria com algo único e  made in portugal.
Mas pode ser que no Natal, ofereça uma nova menina a mim mesmo, pois sinto que a Adamastor II é sem duvida superior à minha cana antiga, mas ainda não é isto que eu quero, sinto que lhe falta algo para o meu tipo de pesca.




Também este menino se tem aguentado bem, Trabucco Auris FS 8000
Tem um rácio 4.9:1, não sei se será o mais adequado para a embarcada, mas aquando a sua compra, na tal loja de Santa Apolónia que utilizava, disseram-me muito bem dele e até hoje não me deixou ficar mal. Já tem provas dadas com aquela menina de mais de 3 Kg, com a embraiagem fechada.
A  mim sempre me fez confusão isso do rácio. Por isso vou deixar aqui uma pequena explicação que poderá ajudar a esclarecer essa duvida. Pelo menos a mim ajudou-me.
No fundo só poderemos comparar os rácios de carretos semelhantes, com a mesma numeração ou medida, por exemplo um 8000 com outro 8000 ou um 4000 com outro 4000 e por ai adiante.
O meu, por exemplo 4.9:1, quer dizer que a enrola o fio 4.9 vezes à volta da bobine, em cada volta completa que se dá com a manivela. Em comparação, por exemplo com um carreto de outra marca também 8000, mas com um rácio 3.5:1, quer dizer que o fio seria enrolado 3.5 vezes a volta da bobine, por cada volta completa que a manivela do carreto der. Ou seja este ultimo 3.5:1 teria mais força, mas menos velocidade, a rebocar o peixe do que o do 4.9:1
No fundo é como uma caixa de velocidades de um carro. A 1ª tem mais força e menos velocidade e a 5ª, mais velocidade e menos força.
Mais bem explicado e outros pormenores, tentem perguntar a quem sabe.
Eu sinceramente, pouco sei de carretos e de marcas.



Passamos então às pescarias de Outubro.
Deixei de apanhar quantidade para apanhar melhor qualidade.

05-10-2010, com o meu amigo Gonçalo.
Acordamos às 6 da manha para ir ao vicio, já com as minhas montagens novas e a sardinha congelada, pronta para o festival.
O Sol estava a nascer, o Gonçalo tirou umas belas fotos do meu terraço. Daqui consigo saber como estão as marés e os ventos, bem como as neblinas matinais no Sado.
E um belo dia vinha ai, a minha primeira Dourada e uma bela Choupa para o Gonçalo.



 



Infelizmente fiquei com uma gripalhada, até febre tive, coisa que já não me acontecia à algum tempo.
Fiquei até dia 21 de Outubro sem pescar.
Ouve belos dias de mar calmo durante este tempo. Foi no dia 13 desse mês, que conheci pessoalmente o Sr. Ernesto Lima, em frente à loja da 7even. Recordo-me porque nesse dia era para ir fazer uma pescaria com a minha mulher, estava a dizer à minha mulher que iríamos fazer uma pescaria à lá Ernesto, indo mais tarde do que era habitual, isto porque sempre ouvi dizer que o peixe está mais activo de madrugada.
Durante as minhas Caçadas Submarinas e agora a Embarcada,  vi que era mais do que a madrugada, um dos factores a que estamos sujeitos.
Não digo que a actividade do peixe não seja maior de madrugada, mas na embarcada certamente outros factores são tanto ou mais importantes.
Bem continuando, estava ainda na conversa com a minha mulher, a caminho do mercado de Setúbal para ir comprar a sardinha, que teimosamente iria utilizar e que teria referido num comentário que fiz no blog A Minha Pesca, à uns dias atrás.
Paro o carro e vejo o Mestre Ernesto à conversa com outro senhor.
Isto se não à grandes coincidências, é mesmo o destino.
Como é óbvio que não poderia deixar de cumprimentar aquele Guru que eu tanto admiro nos últimos tempos.
Muito tinha eu aprendido ao ler o seu Blog.
Para mim foi sem duvida um momento especial. Para ele, pensava eu, que seria mais um a meter conversa, mas sinceramente enganei-me redondamente, vi o à vontade com que falou comigo, eu que só tinha colocado um comentário no seu Blog.
Falou-me do Porto de Abrigo, do qual fazia parte e vim a ver nesse dia também que o Nuno Paulino, não lhe vou chamar senhor porque somos da mesma geração, da 7even, mas posso lhe chamar um verdadeiro Senhor,a meu ver, pelo seu excelente trabalho.
Isto o mundo é pequeno.
Embora já tenha adquirido algum material na 7even. Nos tempos passados, sempre que fazíamos pesca apeada, era na sua loja que comprávamos os iscos e outros materiais necessários, mas desconhecia-mos completamente o seu trabalho. Eu e a maioria dos meus amigos, que frequentavam a sua loja ocasionalmente.
Hoje em dia, já fiz questão de mostrar o seu blog aos amigos, que como eu,  desconheciam o seu trabalho.
Foi a partir daqui que comecei a acompanhar o Blog do Nuno, das Canas Made in Portugal e a fazer parte da Comunidade Porto de Abrigo, bem como de outros blogs que sigo no momento.
Este Porto já me trouxe novas amizades, e novos conhecimentos e ainda me vai ajudar em breve, nas mãos do Mestre Ernesto, duas coisas que considero fundamentais para a embarcada. As acções de sonda e o fundeio.
A vontade de ficar ali na palheta com o Ernesto, era muita, aliás já me cruzei com ele outra vez, desta vez em frente à casa Pita, mas infelizmente, também estava com os minutos contados.
No entanto, ainda me tirou uma duvida que tinha na altura em relação às montagens que falei acima.
Mais uma vez obrigado Ernesto.
Bem, voltando ao dia 13, que alguns dizem ser numero de azar, para mim não é. O meu filho nasceu no dia 13 por isso e como não sou supersticioso, para mim foi um dia de sorte.
Pois comprei a sardinha e vim para casa, após ter a sorte de conhecer pessoalmente o Ernesto Lima.
Cerca de uma hora depois, começou a febre, nem cheguei a por o Barco dentro de agua e ainda bem, senão não sei como seria.
Ironia do destino, eu com todos os tempos e ventos a meu favor, estava em pulgas para fazer uma pescaria em equipa com a minha mulher e agora isto.
Bem a ansiedade cresce ainda mais. E eu aqui em casa sem poder pescar, mas sempre deu para actualizar o blog, fazer chumbadas e montagens novas e começar a acompanhar o Fórum do Porto de Abrigo, onde muito li e estou sempre a aprender e a dar a conhecer o pouco que sei.
Deixo aqui um agradecimento ao Sr. João Martins, também do Porto de Abrigo, pela publicação do meu blog nesse Porto e um agradecimento especial ao Ernesto Lima, por tudo o que me facultou após travarmos contacto. Mais uma vez me surpreendeu pela positiva. A sua atitude, que a mim me serve de exemplo no dia à dia da minha vida e a forma como a tento viver.
Gosto das coisa simples, aproveitar da melhor forma o tempo que cá estou. Como já referi, a nossa passagem por este mundo, pode ser mais curta do que pensamos. E não vale a pena levar-mos para a cova tudo o que sabemos, senão a nossa passagem foi mesmo e só uma passagem.
Assim, também dou a conhecer aos outros o pouco que sei.
Por falar em passagem, passamos então às pescarias. Depois de todo este tempo decorrido sem pescar, eis que vem a oportunidade de ir fazer mais uma pescaria.

21-10-2010.
Desta vez o meu troféu foi o parguito e os bons carapaus que apanhei, ai a sardinha....





















E o fantástico dia seguinte o 22-10-2010, que já referi atrás, no post anterior. Mas mais uma vez, faço questão de mostrar o meu sonho tornado realidade.
Dediquei esta pescaria ao Ernesto Lima, pois foi certamente graças a ele e à minha persistência, que consegui este Trofeu.
Muitos, dizem que a sardinha não dá, aqui em Setúbal, eu sinceramente pergunto. Será que os peixes daqui são diferentes do resto do mundo? É que a sardinha é uma isca universal, talvez não sejam os peixes que são diferentes, mas os vícios e as mentalidades daqueles que criam estes Tabus.





Bem esta é a ultima deste mês de Outubro, o Novembro não tem sido grande coisa.
As obras e pinturas, ainda não pararam cá por casa e o tempo não tem sido muito, nem bom, para ir à pesca.
Para finalizar deixo umas fotos, de um mini tornado em Santa Apolónia no dia, 14-04-2010 e um pequeno vídeo de um extra que podem instalar nas vossas embarcações. Eu pessoalmente não preciso, mas pode dar jeito a muita gente.




video

5 comentários:

Ernesto Lima disse...

Viva Tiago!

Parabéns pelo blog!

Não te estou a dar os parabéns por causa de andares para aqui a "chamar-me nomes", mas pela vontade de aprender, pescar e partilhar que evidencias!

Quanto ao que eu possa ter contribuído para tal... Se não fores lá (ao mar) e não colocares em prática, pouco poderias escrever por aqui e de pouco serviria o que quer que eu tenha escrito.

abraço

Ernesto

Anónimo disse...

Parabéns Tiago por este trabalho, por partilhares tal como o Sr Ernesto Lima os teus conhecimentos.
A felicidade que transmites é contagiante.

Gostaria de saber como revestir a chumbada com borracha...

e já agora.. qual é o comportamento dessa TICA,é de acção de ponteira? ofereceram-me uma TICA F1 3m 3,60 a um bom preço e não sei se hei-de ficar com ela....

PS. Pode ser que o professor Ernesto possa dar uma dica.. he he

Cumprimentos

João Gaspar

Rebolo disse...

Boas,
Antes de mais, um muito obrigado pelos comentários.
Ao Ernesto Lima, não lhe vou chamar nomes, mas caro Ernesto, que bem merecidos são.
Sem duvida que muito tempo me poupou, os seus relatos e ensinamentos são algo que muito me motivou, para esta arte que é a pesca bem como para o inicio deste blog.
Assim, é com muito agrado que vejo aqui o 1º comentário do Guru.(espero que não te ofendas com este nome Ernesto, mas foi o melhor que arranjei)
A meu ver um exemplo a seguir e referir.
Mais uma vez é com grande satisfação que vejo aqui um comentário teu. Obrigado.
Ao João Gaspar, um obrigado especial, pois é sempre bom ouvir opiniões e saber que se transmite algo ai para fora.
Em relação à questão da borracha liquida é vendida em latas de litro. Existem várias cores mas optei pelo branco.
o método é simples, no fundo é prender um arame ao olhal da chumbada e mergulhar na borracha liquida.
A único dica que posso dar para este processo e dependendo da forma da chumbada que utilizar, é dar umas quantas sacudidelas e levantando a mesma devagar, para que a liquido vá escorrendo de forma uniforme pela chumbada e ficar com o aspecto que mostro.
Algo que certamente se melhora a partir da 3 chumbada.
Quanto à Tica, a minha é mais parabólica que a F1,conheço o modelo e na altura quando a testei na loja pareceu-me mais de acção de ponteira.
Certamente que o Ernesto Lima poderá ter conhecimento de alguém que tenha uma e poder opinar, porque uma coisa e testar na loja e outra é pescar com ela, algo que, se poder fazer é sempre melhor.

Abraços e Boas Pescas.

Francisco Silva disse...

Boas, gostei bastante do blog, demonstra mesmo o que é ter "amor a camisola".
Gostaria também de perguntar se me poderias dar algumas dicas da pesca a borracha, quero-me iniciar a pescar no mar e disseram-me que era o indicado e pessoalmente é o tipo de pesca que sinto mais vontade de experimentar.Gostaria de saber o peso das chumbadas a usar, que borrachas usar, os melhores tipos de canas e carretos e as melhores condiçoes do mar para pescar. Obrigado e abraços

Rebolo disse...

Boas Francisco Silva,
Desde já o meu obrigado pelo comentário.
Quanto a questão que colocas em relação à pesca com vinis não e de facto a minha área, tenho pena de não teres colocado o comentário mais cedo pois teria certamente te recomendado um workshop gratuito decorrido na feira de pesca de Setúbal relativamente a este tipo de pesca.
É um tipo de pesca que já ando para praticar à algum tempo, mas as poucas tentativas que fiz não tiveram grande sucesso.
No entanto penso o blog "Branco Pesca" o Ntyper, poderá esclarecer as tuas duvidas e certamente ficas mais bem servido.
Um abraço e boas tentativas