segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Material Canas / Pescarias Foguete / Pesca Choco

Foi nesta embarcação que comecei as minhas aventuras no mar.


Acho que a pesca como a maioria dos desportos requer muita aprendizagem, muita teoria e muita pratica.
Quantos dizem que são pescadores e nem um anzol sabem empatar.
A evolução enquanto pescador também parte de cada um de nós, nem todos temos o mesmo tempo e a mesma dedicação.
Hoje em dia existe uma vantagem que não existia no meu tempo de adolescente, a Internet, pois devido a esta revolução, quase só não sabe quem não quer, pois é um mundo onde tudo se pode ver e conhecer, pelo menos virtualmente.
Quantos nós não aprendi e quantas dicas não vi por este mundo virtual.
Acima de tudo vou falar da minha evolução na pesca embarcada através de experiências efectuadas, desde as primeiras pescarias no FOGUETE, até às mais recentes no REBOLO.
Penso que no mês de Dezembro, as pescarias já vão estar actualizadas. Tudo depende da vontade de escrever.
Para já, aqui ficam algumas efectuadas no Foguete, o inicio da embarcada em embarcação própria.
Comecei aqui no Rio Sado. As primeiras pescarias foram terríveis, mas como sempre, mais vale um mau dia de pesca que um bom dia de trabalho.
Tinha adquirido uma cana nova, uma Barros Ultron Boat e um Carreto Trabucco Auris FS 8000.

E vamos começar por ai, o material, todos nós sabemos que para apanhar peixe basta ter uma cana, linha e anzóis, mas a meu ver, ter o material adequado, também faz muita diferença.
A diferença no material, na minha opinião, depende do uso e da regularidade com que praticamos cada tipo de pesca.
Para quê ter uma cana XPTO para Sppining se o que faço mais é Embarcada, como é óbvio, tudo isto depende da carteira de cada um.
A meu ver, a pesca é um bom hobbie, pois muitos outros só têm investimento e nenhum retorno, na pesca sempre à possibilidade de trazer algum peixinho para casa.
Também tenho canas para praticar Jigging, Spinning, Boia e SurfCasting, mas não comprei material bom para estes tipos de pesca, porque não as pratico com tanta regularidade.
Sempre esperei pelas promoções e pelos artigos de gama media/baixa que eram substituídos pelos mais recentes.
Alias como já referi num post anterior, iniciei-me na embarcada com um cana abu garcia com 1,80 para spinning de acção de 10 g a 50 g , como não fazemos lançamentos, não existe grande problema de colocar uma chumbada de maior peso.
Agora se vamos praticar algo com alguma regularidade, então em minha opinião, já e conveniente gastar um bocadinho mais e ficamos descansados, só para não ter-mos depois surpresas desagradáveis ou peixes que ficam por lá devido ao material.
Ainda me lembro da minha 1ª pescaria com essa cana de spinning na embarcada, a qual como já referi anteriormente, trouxe para cima dois pargos de meio kilo e um polvo ao mesmo tempo.

Após esta pescaria, fiquei com mais vontade da embarcada e decidi comprar uma cana nova, uma vez que aquela abu garcia não era a mais indicada.
Nessa altura nem li em relação a isto das canas, falei com vários pescadores amigos e todos me disseram para comprar uma cana pequena e mais rija, mas nenhuma destas pessoas tinha experiência em embarcada,  apenas pesca apeada.
Vai dai, lá fui eu ver uma cana nova para a embarcada, como não sabia com que regularidade iria pescar, não iria gastar muito, fui ali a uma loja de pesca em Santa Apolónia.
O clube desportivo de pesca de que fazia parte, tinha acordo com essa loja e sempre podia pagar o material a prestações sem juros.
Aliás foi assim que adquiri a maioria do material, pois era uma regalia que nem todos tinham, poder pagar o material a prestações, sem sentir tanto na carteira de uma só vez.
E decidi então comprar só uma cana. A pessoa que estava na loja estava a substituir o empregado habitual e nada percebia de pesca, a coisa ficou ainda mais difícil, então lá me decidi pelos comentários das pessoas com quem falei anteriormente. Após uma meia hora de indecisão, la peguei numa cana da Barros, a Golias, cana de dois elementos com 1,80 de fibra, lembro-me que custava 23 euros e sinceramente, só a utilizei uma vez. Bem a ponta da cana mais parecia uma vara de ferro, grossa e sem nenhuma sensibilidade.
Era de facto uma cana de pesca embarcada, mas de jigging e não pesca ao fundo.
Só pesquei uma vez com ela, porque como devem calcular a pescar ao fundo o peixe picava e eu raramente o sentia.
Com isto só quero demonstrar que devemos ter sempre calma antes de comprar o que quer que seja e se não estamos certos daquilo que vamos fazer , então não vale a pena faze-lo, mais vale ponderar e ter certezas ou quase certezas,  falar com quem realmente pesca na modalidade que estamos a pensar pescar, do que mandar dinheiro ao ar, não foi esse o caso devido ao baixo valor, mas por vezes fazemos compras precipitadas.
No entanto, ainda espero vir a dar uso a esta menina quando começar com os jigs, eles já cá estão, mas ainda não me decidi a fazer a primeira pescaria sozinho, quero ver se levo alguém comigo com experiência na matéria.
Todos sabemos que o material de pesca está em constante evolução e que o que se usa actualmente poderá em breve estar obsoleto.
No passado na embarcada a maioria dos pescadores utilizava canas curtas. Hoje em dia, já é raro ver alguém com canas com menos de 3 metros, pelo menos que eu conheça, minto pois a minha mulher nos tempos actuais pesca com uma cana de 2,40 m, a Barros Ultron Boat, que mostrei na foto acima, era a minha cana até uns meses atrás.
Em relação as canas novas para embarcada ao fundo, as de ponteira removível, as opções são muito variadas. Na maioria das vezes já trazem cerca de 3 ponteiras ou até mais, em carbono ou em fibra e podem ser canas de elementos ou telescópicas.

Depois a escolha da ponteira a utilizar vai depender de uma serie de factores, os quais não vou argumentar porque também não tenho conhecimentos para tal. Pessoalmente e actualmente, prefiro as canas de elementos em relação às telescópicas e as ponteiras de carbono em relação às de fibra.
As ponteiras de carbono são mais rijas, o que me permite uma ferragem mais rápida.
É matéria que dá panos para mangas, tudo depende do gosto, carteira e acção de pesca de cada um.
Então mudando de assunto vou então mostrar as minhas primeiras pescarias no FOGUETE.
A embarcação já tinha sonda na altura, mas não sabia tirar partido dela, era tudo em automático. A sonda, a meu ver, é outro elemento que tanta importância tem, mas isso fica para falar em outra altura.
Também foi nesta altura, no Rio Sado, que iniciei a pesca do choco.





 

A minha ultima pescaria no FOGUETE na foto acima no dia 28-07-2010 e um pequeno vídeo, de uma saída aos chocos com o Ricardo Alentini, junto a costa de Tróia no dia 02-04-2010.
A qualidade do vídeo não e grande coisa foi no telemóvel mas estavam mais de 15 embarcações na faina do choco.

video


A PESCA AO CHOCO


Vou falar um pouco da forma como pesco o choco e que material uso.
Já usei toneiras, mas actualmente prefiro os Palhaços ou Squid Jig.
E é em relação a eles que vou demonstrar como faço as montagens.
Antes de mais, deveremos praticar um pouco os nós, eu pessoalmente só uso nestas montagens o Improved Clinch Knot e o nó de oito.
Nas primeiras pescarias usava fluorcarbono nas montagens, desconhecia completamente que era indiferente usar linha normal. Também usava três palhaços por montagem e agora só utilizo um por montagem, muito embora tenha feito algumas duplas de chocos no inicio, mas quando um palhaço prende custa mais deixar lá três palhaços, pessoalmente acho que não compensa.
Acreditem ao choco a linha  é mesmo indiferente , a que vêm  na foto abaixo são 100 metros de um mono 0,50 mm, do chinês, custa cerca de 1 euro, já me trouxe para cima varias vezes o cabo dos covos ali no Soltroia é uma maravilha.
Esta alteração aconteceu porque um dia comprei 10 palhaços e perdi 7, ali num cabo subterrâneo que passa no Sado vindo de Tróia e lá fui eu comprar mais palhaços, estava lá um senhor a comprar um mono 0.60 que dizia ser para o choco, eu que só usava linhas invisíveis nas montagens e no máximo 0.30, fiquei muito surpreendido e meti conversa.
Foi ai que soube que era melhor usar linhas mais fortes e mais baratas e esquecer os gastos que fiz no fluocarbono, alem de ser bem mais fácil puxar um polvo ou um choco grande com uma linha mais grossa, do que uma mais fina.
Assim, a meu ver qualquer mono-filamento 0.50/0.60 de um euro do chinês e mais que suficiente para pescar quer chocos quer polvos.
As madres, faço com material usado que vou tirando das montagens das pescarias que faço ao fundo ou restos de outros fios e destorcedores usados.
As madeiras que vêm na foto abaixo, a segurar o fio principal com cerca de 25 metros, montagem, chumbada e palhaço são muito úteis quer no enrolar, quer no prender do fio e também caso caia para dentro de agua ou seja puxado de repente quando pescamos com mais de uma linha de mão, porque flutua.(já me aconteceu algumas vezes).
Também podemos pescar com cana de mão, mas acho que não é tão eficaz.
Como já tinha referido prefiro os palhaços às toneiras, isto porque tenho mais sucesso nas capturas a deixar correr a chumbada no fundo e animar de vez em quando o palhaço, do que estar sempre a fazer animações, como se faz com a toneira. 
Também prefiro os palhaços com chumbo de preferencia 2,5 gramas, em detrimento dos sem chumbo pois as animações são bem mais atractivas para os chocos. Ainda me lembro da 1ª vez que fui aos chocos com o Ricardo Alentini ali ao pé da Marina de Tróia, ele com os palhaços com chumbo e eu com os sem chumbo.
Ele apanhou sete chocos e eu zero, a única diferença nas montagens eram os palhaços.
Na segunda saída aos chocos lá troquei os palhaços e até uma lula apanhei e uns quantos chocos.


Este na foto acima e abaixo, ainda não foi à agua, não e do chinês mas sim do japonês, senão já tinha ido ao banho.

 

É mais ou menos isto que faço, no fundo só quero deixar uma ideia. Existem inúmeras formas de fazer as montagens, a que vêm na foto acima e com nó de oito no destrocedor do meio e com material usado ou sem qualquer tipo de uso como aquelas missangas de ferro, o desenho que fiz a seguir e só com o nó clinch e com destorcedor em T. A linha principal pode ser um mono-filamento 0.50 ate ao 0.70 e as chumbadas de 40 a 60 gramas.
Por norma tenho sempre umas cinco montagens feitas, mas sem os palhaços montados, conforme foto acima.
Assim, permite-me fazer uma troca rápida quer fique sem palhaço, o mais usual pois o estralho é mais fraco que a madre, ou sem a montagem toda. 
Os palhaços ficam já empatados com os 50 cms de mono-filamento.






Para finalizar, vou contar um episódio que passei com o Ricardo Alentini, o qual me foi recordado este fim de semana numa saída para mais uma embarcada.
Estávamos a pescar ao choco a cerca de 300 metros ali da costa de Troia, mesmo alinhados com aquele café de madeira que se vê ainda na parte final do Sado, antes dos Cabeços.
A pescaria estava a correr bem, já tínhamos apanhado uns belos chocos, quando somos interpelados pela policia marítima, mesmo quando a coisa estava quente eles estavam a sair a um bom ritmo.
Vai de mostrar isto e aquilo, o que me era pedido, tudo numa boa disposição, quer da nossa parte quer da parte deles, quando no final o sr. agente pediu para ver as capturas que tínhamos feito. No fundo era para ver se tínhamos algo abaixo da medida legal. 
Vai de abrir a tampa do balde, que estava cheio de chocos todos bem acima da medida, um dos agentes diz, belos chocos, e de repente sai esguicho de tinta do balde para dentro da embarcação deles.
Foi difícil conter o sorriso, mas a reacção foi como tudo o resto, uma coisa natural, aconteceu e manteve-se a boa disposição. Ainda me aconselharam a trocar a rede do xalavar, pois a medida da rede que tinha era ilegal.
Nem sempre eles andam ai para nos lixar, às vezes é importante referir isto, pois nem só más historias se vivem com as autoridades.

13 comentários:

Anónimo disse...

boas amigo gostei bastante do teu blog e tal (penso) como tu, adoro todo o tipo de pesca mas em especial a pesca aos chocos, chega por vezes a ser viciante não é?posso dizer-te que neste mes ainda so apanhei um choco mas ao contrario de ti so faço pesca apeada. queria apenas dizer-te que nos estralhos podes usar uma linha mais grossa tipo 0.40 ou mesmo 0.50. nos meses de abril maio e junho dei-me bastante bem com esta configuraçao tirando bastantes chocos com mais de um kilo. continuacao de boas pescarias e peixe na cana que é o que se deseja

Rebolo disse...

Boas,
Obrigado pelo comentário, é sempre bem vindo.
Quanto à pesca do choco, é de facto viciante.
Pena tenho eu de só começar a perceber umas coisitas disto já no final da época passada aqui no Sado.
Muito aprendo com os senhores que também andam à deriva por aqui neste rio, alguns deles já me deixaram de boca aberta, com episódios que observei neste Sado.
Algo que contarei noutro post.
Esta nova época espero vir a melhorar,pelo que agradeço a dica.
Mas acima de tudo, o mais importante é Peixe na cana, é sinal que andamos por lá.
Forte abraço e boas pescas

Anónimo disse...

Boas ,
Não sou pescador, tenho um amigo que procura saber onde pode comprar as "Squid Jig", Zona Lisboa
Se puderem ajudar.
Obrigado

Rebolo disse...

Boas,
Na zona de Lisboa, apenas conheço uma loja em Santa Apolónia,mesmo na rua por trás da estação dos comboios.
O nome da loja era Fishing World, mas agora acho que tem outro nome T.B.F., que tinha os squid jigs ou palhaços como são mais conhecidos.
Em Lisboa não conheço muitas lojas de pesca mas certamente se arranja os palhaços em muitos sítios, até na Decatlhon se arranjam mas um pouco mais caros.
Aqui em Setúbal, costumo usar os que viste neste post,custam de 0.90 a 1 euro.
Tirando os japoneses que são um pouco mais caros chegando aos sete euros, mas sinceramente penso que não compensa.
Abraço

Anónimo disse...

Boas,

O meu muito obrigado!! Vou dar a informação ao meu Amigo.
Abraço e boas pescarias.

Anónimo disse...

Boas,
podem ajudar-me quais sao os melhores meses para pescar chocos?

Rebolo disse...

Boas,
Agradeço que dê uma leitura no ultimo post, "uma manha ao choco dicas", pois estão lá uma dicas que o podem ajudar.
Quanto à melhor altura para o choco aqui no rio Sado é a partir de março, mas é uma espécie que existe por aqui o ano inteiro.
No entanto, as maiores capturas que fiz desta espécie foram nos meses de maio e junho, mas a maioria dos pescadores aqui da zona refere que a partir de março começa a altura da desova.

Anónimo disse...

ola pessoal so para dar uma dica, nao tenho muita experiancia, ainda so novo no mundo da pesca, mas neste fim de semana apahei para ai em 4 horas 6 chocos com palhaço azul, nunca paço dos dois ou tres com palhaços de outras cores experimentem e repondam ao comertario sa faz favor. Boas pescas!

Miguel disse...

ola boa noite, muito bom blogue, pessoal são capaz de dizer onde existe bons pesqueiros para o choco?

Rebolo disse...

Boas Miguel,
Aqui na zona de Setúbal, recomendo a praia de Troia mesmo junto aos cabeços de areia e mais para dentro do rio Sado para a pesca apeada e o rio Sado e a zona em frente ao Soltroia para a pesca embarcada.
Abraço

Carlos disse...

Boa tarde!

Serão capazes de me dizer qual o melhor sitio para entrar de Kayak na zona de tróia,,,

muito obrigado

Rebolo disse...

Boa noite Carlos,
Em tróia face às ultimas alterações no local (obras) não sei se o carro pode ficar perto do local de entrada do kayak dentro de agua.
No entanto existem acesso pedonal às praias de tróia através de passadiço de madeira.
A maioria das pessoas que conheço que fazem essa travesia de kayak entram aqui mesmo em Setúbal no parque de albarquel.
Abraço

André disse...

Boas
Tal como vocês sou um aficionado pela pesca e este ano que passou foi muito bom em pesca ao polvo ( uso sempre um caranguejo plástico que há a venda nas lojas de pesca e custa entre 7€ e 13€). Quanto ao choco já fiz muitas experiências e cheguei a conclusão de que não vale a pena comprar palhaços dos baratos, não pescam um terço do que pescam os de 6.50€. Ainda está semana estive a pesca com os meus 2 colegas de pesca e estávamos todos no barco com palhaços baratos e nada, depois meti um dos de 7€ e eu apanhava e eles nada